jusbrasil.com.br
16 de Outubro de 2019
    Adicione tópicos

    Dia de Conscientização do Autismo: TRT/CE promove roda de conversa sobre o tema na terça-feira (2/4)

    Em 2 de abril comemora-se o Dia Mundial de Conscientização do Autismo. Para marcar a data, a Justiça do Trabalho do Ceará promoverá, pela primeira vez, uma roda de conversa sobre o tema, nesta terça-feira (2/4), às 10h, no auditório do TRT/CE (4º andar do Anexo 2). Magistrados, servidores, estagiários, funcionários terceirizados e público em geral estão convidados. Na ocasião, compartilharão suas experiências Renata Lôbo (psicopedagoga e mãe de criança autista) e Luciana Mendes (engenheira diagnosticada autista já adulta).

    O evento é uma iniciativa conjunta da Divisão de Saúde, da Ecosétima e da Biblioteca do TRT/CE, com apoio da Associação Fortaleza Azul (FAZ), entidade formada por pais e familiares de autistas. Segundo Raffaella Lisbôa Mota, servidora do TRT/CE e membro da FAZ, o objetivo do encontro é esclarecer as pessoas sobre o transtorno do espectro autista – TEA (nome técnico do autismo), combatendo o preconceito e a discriminação. “Nós trabalhamos para superar as dificuldades de inclusão que as pessoas com autismo enfrentam na sociedade e no mercado de trabalho”, explica a servidora. Os organizadores do evento sugerem que todos venham, no dia 2 de abril, com roupas azuis, que é a cor que representa o autismo.

    Convidadas

    Renata Lôbo

    Renata Lôbo é psicopedagoga com ênfase em Inclusão pela Universidade Federal do Ceará e membro da FAZ. Ela é mãe de criança autista e vai compartilhar sua vivência com a situação.

    Luciana Mendes

    Luciana Mendes é engenheira civil, licenciada em Matemática, bacharel em Direito, mestranda em Administração e servidora do Ministério Público do Ceará.

    Ela foi diagnosticada autista já na fase adulta e vai contar como foram suas experiências de vida em relação ao assunto.

    O que é autismo

    Considerado um transtorno – e não uma doença -, o autismo é um termo utilizado para descrever um grupo de desordens do desenvolvimento do cérebro, caracterizadas por prejuízos nas áreas de comunicação e de comportamento. Em cada indivíduo com autismo, esses comprometimentos apresentam-se com intensidades diferentes. Veja ao lado mais informações sobre o autismo.

    Raffaella é mãe de Bernardo, criança com autismo. “Meu filho teve um desenvolvimento padrão até aproximadamente 18 meses. Por volta dessa idade, observamos que, às vezes, ele não respondia quando chamado e também falava menos do que seria esperado. Nossa esperança era de que, ao começar a pré-escola, ele seria mais estimulado e desenvolveria a fala. Como isso não aconteceu, a escola nos aconselhou a procurar atendimento fonoaudiológico. Ao entrar em contato com terapeutas, sentimos a necessidade de uma avaliação neurológica”, relata. Segundo a servidora, o diagnóstico neurológico definitivo levou seis meses.

    Depois do início das terapias – fonoaudiologia, terapia ocupacional com integração sensorial, análise do comportamento –, Bernardo apresentou considerável progresso, inclusive na comunicação verbal. “O autismo tem exercido um impacto grande na vida de toda a minha família. Com muito amor e dedicação, nossa preocupação é estimular o desenvolvimento do potencial do nosso filho, assegurando, ao mesmo tempo, uma infância plena”, almeja a servidora.

    Mais informações

    Com o intuito de compartilhar mais informações sobre o assunto, a Divisão de Saúde do TRT/CE recomenda a leitura de duas cartilhas produzidas pela Universidade de São Paulo sobre o tema.

    A cartilha Entendendo o autismo tira dúvidas gerais sobre o transtorno e desvenda os principais mitos que envolvem o tema.

    A cartilha Higiene bucal para pessoas com TEA traz indicações e dicas para lidar com esse hábito, que, se para a maioria das pessoas é uma atividade corriqueira, pode apresentar dificuldades para pessoas autistas.

    “Acreditamos que a informação é fundamental para vencermos as barreiras da discriminação e o primeiro passo para construirmos uma sociedade inclusiva”, avalia Thais Evangelista Brito, diretora da Divisão de Saúde. A gestora também indica a leitura do livro Meu amigo autista, escrito por Maria Eduarda Loureiro Grund, de 9 anos de idade. O livro retrata a própria história da autora, que se encantou ao conhecer o mundo de João Pedro, autista, novo colega de classe.

    Thais ressalta que o TRT/CE concede horário especial de trabalho a servidores ou magistrados que tenham cônjuge, filho ou dependente com autismo. A redução da jornada de trabalho, independentemente de compensação de horário e sem redução proporcional de remuneração, tem base no § 2º do art. da Lei 12.764/2012 e no § 3º do art. 98 da Lei 8.112/1990.

    Data

    O 2 de abril foi estabelecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2007 como o Dia Mundial de Conscientização do Autismo. No Brasil, a data foi instituída por força de Lei Federal em 2018. Conforme dados da ONU, estima-se que haja no mundo 70 milhões de pessoas com autismo, sendo cerca de 2 milhões no Brasil (1 em cada 100 pessoas). O símbolo do autismo são peças de quebra-cabeça.

    Outros eventos

    Conheça abaixo alguns eventos que vão ocorrer em Fortaleza em alusão à data especial.

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)